IMPERIUS CASSIUS – O QUE ACONTECEU COM OS SUPER – HERÓIS?

A questão acima é uma que me faço sempre, já faz algum tempo. Leio quadrinhos há mais ou menos 30 anos, e a maior parte deste tempo foi dedicada aos heróis. Eu comprava tudo, lia tudo e gostava da maior parte. Meu personagem preferido era o Homem-Aranha, seguido de perto pelo Batman. Infelizmente nos últimos tempos não tenho conseguido mais ler quase nada de heróis, não porque não quero, mas tamanha é a ruindade do que está sendo publicado.

 

Na semana passada, seguindo o que propus aqui na minha primeira coluna, comprei a revista Marvel Action #29, para ler a estréia do Hulk Vermelho. E fiquei muito desanimado com a sucessão de clichês da trama. O Doutor Samson e a Mulher Hulk fazem uma reconstituição de algo que aconteceu com o Abominável, mas enquanto ele tenta ver os fatos, ela fica bravinha por fazer o papel da vitima e não do assaltante. O que já estava ruim fica pior quando um grupo de heróis russos chega e diz que o caso está sob jurisdição deles. O que se segue é uma discussão estúpida que em seguida vira briga sem nenhum motivo. Meu deus.

 

Será que a maioria das tramas era assim também antigamente e eu é que era moleque e não percebia? Acredito que não, pois lembro bem de achar muita coisa boa mas outras nem tanto. Acho que faltam escritores bons mesmo, pois é só ver que as tramas boas que vemos hoje em dia são de caras bons, como Ellis, Bendis, Brubaker, Ennis e alguns outros. Li Batman R.I.P., do Grant Morrison e achei uma trama muito boa. Outro exemplo é o Spawn, que teve com David Hine uma de suas melhores fases, depois de anos de tramas de má qualidade porque seu criador estava mais interessado em outras coisas. Estamos ficando restritos a ler algumas fases de alguns personagens que têm a sorte de ter um cara bom no roteiro.

 

Sei que de vez em quando é impossível não recorrer a um chichê ou outro, mas em geral os escritores médio ou fracos apóiam suas histórias nos clichês, quando deveria ser o contrário, o cichê deveria te enganar, fazer você se surpreender com o que virá a seguir. E na ânsia de vender mais, de atrair público e mídia, As editoras partem para maxi-séries que ultimamente não têm sido bem planejadas e se tornaram mais caça-niqueis do que boas tramas, e aí vem o segundo grande problema, a interferência das chefias no trabalho dos roteiristas. Mesmo um cara consagrado como o Grant Morrisom não conseguiu salvar a nova crise da DC devido as grandes interferências superiores.

 

Ou então matam e ressuscitam o herói, recurso que já ficou pra lá de batido. Nem vou me aprofundar neste assunto, leia o que o Sidney Gusman falou disso na coluna dele no UHQ aqui . Concordo plenamente com ele.

 

panini_batmancronicas_vol02Pedi alguns amigos fãs de quadrinhos me dizerem as últimas coisas legais que leram para tentar ilustrar o que estou querendo dizer. Sidney Gusman: Batman Crônicas 2, que são historias antigas.  Eduardo Nasi: Grandes Astros – Superman e Batman, ambos do Morrison. Justiceiro Max, do Ennis. Delfin: Lanterna Verde do Geoff Johns. Ricardo Malta: Batmam do Morrison. Zé Oliboni: Thor do Strackzincky e Invencível de Robert Kirkman. Guilherme Kroll: Vingadores, do Bendis e Wolverine – Inimigo do Estado, de Mark Millar.

 

Esta lista acima ilustra bem o que quero dizer, ou são histórias mais antigas, ou são novas, mas com um bom roteirista por trás. Esse tipo de coisa tem feito com que as pessoas esperem indicações de amigos ou críticas antes de comprar algo, ou ainda esperem sair o encadernado com a fase Morrison, ou Millar ou qualquer outro dos bons escritores. Estamos perdendo aquele tesão em comprar nossos gibis na banca toda semana, esperarmos ansiosamente pela continuação de uma história, e talvez tudo isso explique um pouco o diminuto tamanho das tiragens de quadrinhos que temos por aqui hoje. Sei que temos muita outras coisas de qualidade saindo por aqui e eu tento ler de tudo um pouco, mangás, europeus, e adultos, mas sempre sinto falta de uma boa história de super-heróis.

 

O único consolo que vejo é que atualmente parece que as grandes editoras voltaram a dar espaço aos bons escritores e com certeza temos muito mais deles trabalhando nelas do que nos últimos sete ou oito anos. Além disso, estes bons têm se mantido na ativa e podido construir arcos bem longos, de no mínimo um ano. Se isso se mantiver e pudermos ter uma maior coerência editorial, talvez os heróis ainda tenham salvação. Avante Vingadores!!! 

 

Ps. E você, o que acha? O que está lendo e que tá muito bom? Deixe seu recado ou sugestão aí embaixo e eu tentarei comprar, ler e comentar.

 

 

Sugestão de leitura da semana: Seguindo a linha da coluna, sugiro a leitura de Surpreendentes X-Men, do Joss Whedon. A Panini lançou os 12 primeiros números da fase dele em um encadernado que vale muito a pena ler. Bem que podia sair logo um segundo encadernado, né? As tramas saíram em uma das revistas mutantes da Panini, mas não tive paciência de acompanhar, exatamente porque o resto das histórias era bem inferior. Mas vale muito a pena, não lia X-Men faz tempo e esse encadernado me devolveu o prazer de ler histórias de mutantes. panini_batman_79

 

Sugestão de leitura de livro da semana: Todo mundo já ouviu falar do filme Blade Runner, certo? Pois ele foi baseado em um livro chamado Do Androids Dream of Electric Sheep?, de Philip K. Dick (O caçador de andróides, na versão brasileira). Como sempre, a trama do livro é ainda melhor do que a do filme, bem mais densa, daqueles livros que quando você começa, não consegue parar até acabar. Se você curte uma boa ficção científica, pode comprar e ler sem medo. É muito bom.

 

Sugestão de Seriado de TV: Por acaso você conhece The Big Bang Theory??? É uma deliciosa comédia que passa no canal a cabo Warner Channel e mostra quatro amigos nerds e uma vizinha gostosa em situações hilárias. Todos os episódios tem referências e citações nominais a quadrinhos, ficção científica, seriados de TV, é uma série imperdível para quem lê esta coluna.

Um comentário em “IMPERIUS CASSIUS – O QUE ACONTECEU COM OS SUPER – HERÓIS?

  • 19 de junho de 2009 em 15:43
    Permalink

    Do mainstream Marvel/DC, as duas únicas séries que me chamam atenção e me prendem a leitura são Justiceiro do Garth Ennis, e o Quarteto do Millar, com aquele “realismo à la Supremos”. De resto, é o mesmo prato requentado de sempre.

    Resposta
  • 19 de junho de 2009 em 17:40
    Permalink

    “Grandes Astros – Superman e Batman, ambos do Morrison”
    ??????????????????????

    Resposta
  • 19 de junho de 2009 em 18:03
    Permalink

    Ops, desculpe, ficou dubio o que escrevi. O Batman é apenas o Batman do Morrison e mais o Grandes Astros Superman, também do Morrison. Deu pra entender agora??

    Resposta
  • 19 de junho de 2009 em 18:05
    Permalink

    O que o Cassius citou realmente é uma verdade. Lembro que nos anos 80 ficávamos torcendo para chegar o fim do mês para comprar Superaventuras Marvel ou Heróis da TV. Quem não curtiu toda a fase de John Romita Jr. no Demolidor em SAM? Ou o Thor de Walter Simonson? E as longas fases do Hulk e Quarteto Fantástico de John Byrne? Antes havia muita história legal pois eram histórias simples. Hoje em dia, com tanta criação de “Crise” que se estica por meses a fio, fica muito difícil acompanhar, além do que, ao chegar no final, nos decepcionarmos ao ver que “tudo era um sonho”.
    Antigamente até as sagas eram legais. Crise nas Infinitas Terras, Guerras Secretas, Invasão, Lendas… foram confrontos que, ao chegar no final, dizíamos “que história!”. Afinal, que leu Crise nas Infinitas Terras apenas 1 vez?
    É difícil hoje em dia, selecionarmos alguma boa leitura da Marvel ou DC. As tramas são pífias, personagens tem todo o passado e presente modificado, porém ainda salva-se alguma coisa nos especiais. Um exemplo está sendo a mini-série Invasores vs. Vingadores, que coloca uma equipe contra outra já que as duas tem pontos de vistas diferentes. Recomendo bastante.
    Mas nos mangás estamos com algumas coisas boas em bancas. Ultimamente tenho acompanhado D.Gray-Man, Claymore (estilo capa e espada) e Abara, um bom mangá de terror. No mais, o que também está salvando nas bancas são os encadernados da Devir e uma mini-série da Multi Editores chamada O Terceiro Testamento, mas que até o momento não chegou no final.

    Um abraço, Cassius, e parabéns pela matéria.

    Resposta
  • 19 de junho de 2009 em 20:06
    Permalink

    verdade. sou leitor das antigas e ficava numa ansiedade louca pra ler as historias do hulk [sempre fui fissurado no hulk]. uma das melhores sagas do verdão foi a “encruzilhada” [fizeram uma paródia chamada planeta hulk mas quem leu a original sabe do que falo]. cada dia fica mais dificil encontrar uma história que “pague” a revista. como sou um viciado compulsivo compro tudo à procura de um oasis de sanidade neste deserto de loucura que os homens chamam de terra [o alcool falou mais alto agora….]. fui…..

    Resposta
  • 7 de julho de 2009 em 00:09
    Permalink

    Oi Cassius, mais uma vez eu aqui…

    Essa das grandes sagas dos selos maiores, e mais rentáveis para as editoras brazucas é complicado, hj pela manhã estava escutando um pod cast que falava qse o mesmo que vc, sobre o fato de ou é mega saga ou é coisa que não corresponde a cronologia e é deixado de lado. E os caras que estavam falando chegaram a conclusão que todo mundo chega, o problema muitas vezes, e acho que a maioria, e vc há de concordar comigo, por ter sido editor muitas vezes, pedem pra esse tipo de atitude, anyway, dos escritores.

    Fica ai a dica do podcast:
    http://www.mbbforum.com/mbb/viewtopic.php?t=29780

    Resposta
  • 27 de julho de 2009 em 14:08
    Permalink

    houve um tempo em que eu comprava tudo que saía nas bancas, tudo bem erma menos títulos doque hoje, memso na era panini tentei acompanhar um monte de coisas, foi quando percebí que não valia a pena, por causa de uma história gastar pagar por quatro. fui abandonando aos poucos revistas como Batman, superman, homem Aranha, etc. hoje somente compro as mensais M. Action (pelo Demolidor, a Panini deveria voltar com a revista dele com 50 paginas e bimestral) e M. Max. nem as minis me empolgam até compro ás vezes (não será o caso de crise final) mas, essas dos Skrulls estou acompanhando, e se alguém quer saber minha opinião sobre ela… è um lixo. Parei na terceira.

    Resposta
  • 8 de agosto de 2009 em 01:34
    Permalink

    É verdade que os Super Heróis estão longe dos seus tempos áureos. Mas pelo menos não está tão ruim quanto da segunda metade dos anos 90 até o início do século XXI.Naquela época, era quase impossível ler alguma coisa.
    É ruim você acompanhar uma revista só por causa de um personagem, e jogar 75 páginas fora. É o que eu faço com Marvel Action, já que, só o Demolidor (do ótimo Ed Brubaker) se salva.
    Universo Marvel é outra. Agora que a fase Ellis/Deodato acabou nos Thunderbolts, só dá pra ler o Quarteto Fantástico, do Millar/Hitch, a partir deste segundo arco, já que o primeiro foi muito mais ou menos.
    Os Novos Vingadores é o melhor mix da Panini. Os Vingadores, O Thor, do Straczinsky, e o Capitão América, do Braubaker, garantem a qualidade. Outra boa surpresa para mim tem sido a X- Force, e a nova fase de Novos X-men, em X-men extra.Mas é inegável que os bons tempos do Claremont, Jim Lee, Marc Silvestre, Paul Smith e John Byrne nos mutantes deixam muitas saudades.
    Tenho lido excelentes histórias do Super Homem, escritas pelo Geoff Johns e desenhadas pelo Frank. Sempre achei 99,9 % das histórias do Homem de aço ruins, e acho que ele está tendo as histórias que merece agora.
    como o Medauar falou, são poucos os escritores que se salvam. As boas histórias normalmente vêm pelas mãos de caras conhecidos, como Morrison, Bendis, Brubaker, Millar, Straczinsky, Johns e Ellis. E olha que até estes volta e meia pisam na bola. Até hoje eu me pergunto o que o Morrison foi fazer no Batman. Histórias medianas com desenhos horríveis do Tony Daniel.O Bendis, que fez um trabalho excepcional no Demolidor e talvez lá pelas primeiras 25, 30 edições do Homem Aranha Ultimate, se perde nestes mega eventos como Invasão Secreta, o que tem até afetado o bom trabalho dele nos Vingadores. O Homem Aranha ultimate ele tem escrito no piloto automático na maioria das vezes, e só acertou recentemente quando teve que recorrer ao Duende Verde. Ultimate Origens não empolga.O Millar, a mesma coisa com Guerra Civil. O Johns escreveu pouca coisa que se salvasse nos Novos Titãs, e a Crise Infinita e o Retorno do Lanterna Verde foram horríveis.
    acho que as editoras têm que acabar com essa mania de mega eventos, pra que voltemos a ter boas histórias. A marvel ressurgiu com a linha ultimate e com algumas outras boas fases quando eliminou estas porcarias no início da Administração Quesada. A DC parece que nunca empolga.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: