Mangaká do Mês – Mukarami Maki – Estilo Yaoi e Yuri

Yooo povo, preparados para o Mangaká desse mês? O estilo é o Yaoi e Yuri, ou seja, toda vez que eu aparecer por aqui nessa coluna do mês é pra trazer um Mangaká de um desses estilos. Se você tem alguma coisa contra, já pode parando por aqui ou então pode continuar lendo e ver que o estilo não é tão ruim como você pensa. Como vou falar de uma mangaká com obras yaoi, primeiro vou começar a falar sobre o estilo.

Assim como a Kel bem disse no seu texto sobre shõjo, os mangás no Japão normalmente são publicados em revistas periódicas para depois serem publicadas nos formatos de livrinhos. As revistas periódicas japonesas recebem classificação de acordo com o público alvo, que são elas: o shõnen, seinen, shõjo e o josei. Existem algumas revistas especializadas em yaoi, no entanto, alguns títulos yaoi são publicados em revistas shõjos e joseis, por isso do yaoi ser visto como uma vertente do shõjo.

O estilo surgiu na década de 70, com títulos como Kaze to Ki no Uta, que fez bastante sucesso e até hoje é lembrado pela beleza de sua história. O termo Yaoi vem da frase “YAma nashi, Ochi nashi, Imi nashi” que significa “Sem clímax, sem objetivo, sem sentido”, e era usada para ofender os doujinshis que traziam o tema nas suas histórias. Há muito tempo, o termo Yaoi já não é mais usado no Japão e foi substituído por BL (Boy’s Love), sendo uma forma de generalizar obras com a temática de romance homossexual entre homens. O termo Yaoi é usado de forma genérica no ocidente, podendo mudar de nome de acordo com a classificação de como o tema é abordado nas obras. Shonenai, quando o tema é abordado de forma leve, podendo ter no máximo um beijo ou outro entre os personagens, yaoi para histórias mais maduras e lemon quando há cenas de sexo explicito.Antes que vocês começassem a pensar coisas, o Yaoi não é uma mangá ou hentai gay, ai você me responde “como não? Tem dois caras se pegando”. De fato tem dois homens, mas eles não estão simplesmente “se pegando”. A história toda gira em torno do romance entre duas pessoas, isso independe se são do mesmo sexo.“Mas se tem sexo explicito é hentai”, mesmo tendo sexo explícito, ele não é hentai, já que as senas de sexos são uma forma de expressão de amor e como eu li em um texto que aborda essa diferença “Não é simplesmente pornografia, pois seu principal objetivo é encantar, e não só excitar. Geralmente são mais ‘suaves’ e menos vulgares que os hentais, embora não seja regra. Mas uma coisa é certa: Uma boa cena lemon, deve primar pela beleza e fugir das bizarrices”. E o fato dessa história de amor estar presente, faz com que o público-alvo desse tipo de história seja o feminino. Sim crianças, o público-alvo, principalmente no Japão, não são os gays, já que eles vêem esse tipo de história bem distante da realidade deles, mas isso não quer dizer que gays não gostem de yaoi, muitos na verdade gostam desse gênero, mesmo assim a maioria esmagadora de consumidores desse tipo de material ainda são as mulheres.

Dentro do yaoi normalmente existem dois perfis de personagem, o Seme e o Uke. Seme é derivado do verbo japonês semeru (atacar). Normalmente é representado pelo personagem mais alto e mais forte, é o ativo da relação. O Uke, do verbo ukeru (receber), que comumente é representado pelo personagem menor, mais novo, delicado e comportamento meio feminino, ás vezes o inexperiente, tá na cara que ele vai ser o passivo. Existem também aqueles que jogam nas duas posições (não pude resistir em fazer a piada), os que podem ser Uke ou Seme, dependendo do parceiro.

Só pra terminar essa primeira parte, todo mundo acha que fãs de Yaoi são pervertidas por gostarem desse tipo de gênero, mais da metade se considera pervertida e uma parte delas ainda se orgulha de receber esse tipo de “título” e gostam de fazer jus a ele, principalmente quando estão em eventos. Resumindo, tenha cuidado quando for a uma sala Yaoi (brincadeirinha, não precisa ter medo até porque eu não vou a eventos de animes, portanto vocês estão a salvo… por enquanto).

Agora sim! Vamos para a mangaká, eu tenho que falar dela logo nessa minha primeira coluna, porque se hoje eu sou uma yaoi fã girl é tudo culpa dela. Já que o meu primeiro yaoi é a obra de maior sucesso dessaMangaká. Estou falando da Murakami Maki, a mãe de Gravitation.

Murakami Maki, nascida no Japão em 24 de maio, atualmente mora em Hokkaido. É uma Mangaká muito famosa por escrever historias BL (Boys Love) ou Yaoi. No colegial começou a trabalhar como assistente da irmã mais velha de um de seus colegas, desenhando hentais (isso explica muita coisa), além de criar seus próprios doujinshis, muitas vezes sobre músicos. Estreou como mangaká em abril de 1995 na revista Kimi to Boku com o titulo Narushisuti No Higeki (A Tragédia de um Narcisita). No ano seguinte, publicou Gravitation e conseguiu uma monstruosa popularidade, abrindo caminho para o gênero yaoi/shonen-ai. No ano de 2000, a publicação de Gravitation foi interrompida com o fechamento da revista onde era publicado. Mas com a grande demanda de público, o mangá passou a ser publicado de forma independente, dois anos mais tarde passou a ser publicado pela Gentosha. Além de Gravitation, ela também e autora de outras obras como o Gravitaion EX, Kimi no Unaji ni Kampai! e Gamerz Heaven. Mas Gravitation foi o filho que mais deu orgulho e que faz sucesso até hoje, que por conta do grande sucesso virou anime, tendo o OVA lançado em 1999, e a série com 13 episódios que veio logo em seguida, lançado em 2001.

Murakami Maki é também conhecida com o pseudônimo de CROCODILE-Ave, e responsável por escrever vários doujinshis de suas próprias histórias como: Remix e o Megamix de Gravitation, que mesmo tendo um conteúdo sexual bem detalhado são os doujinshis mais populares de Maki, ou melhor, CROCODILE-Ave. Além dos Remix e Megamix, também tem os DJs.

Gravitation

Narrado em forma de comédia, Gravitation conta a divertida histÓria de Shuichi Shindou, um cantor que busca o sucesso. Mas toda sua confiança foi por água abaixo quando encontrou, no meio da noite, um homem misterioso que critica sem piedade a letra de uma de suas músicas. Na busca para saber a identidade do estranho que fez comentários tão duros ao seu trabalho, Shuichi descobre muito mais sobre si mesmo e percebe que seu pensamento fixo no sujeito vai muito além do orgulho ferido. Dando inÍcio a uma divertida historia de amor.

.

….

Gravitation EX

Para curar as feridas no coração de Eiri Yuki, ele e seu amante vocalista, Shuuichi, viajam até Nova York para visitar o túmulo do seu torturador e primeiro amor, Yuki Kitazawa. Eles descobrem que o primeiro Yuki deixou para traz um filho jovem, Riku, e então o estranho casal leva o garoto de volta com eles para o Japão. Quando Shuuichi recebe um beijo do louco líder de uma banda rival, Ryuuichi, Yuki sente uma raiva ciumenta e ele e Riku desaparecem, deixando Shuuichi para procurá-los em vão.

.

..

.

Gravitation Megamix

É uma coletânea de doujinshis de Gravitation, feito pela própria Maki Murakami, com uma temática sexual forte. Esse mangá é para quem gosta de historias lemons realmente forte.

Hoje no Brasil, já podemos encontrar a abra completa de Gavitation que contem 12 volumes, foi lançado em 2007 pela JBC. Atualmente, a Newpop esta lançando as novels da obra, conhecidas como Gravitation Red e Gravitation Blue. Gravitation é um dos poucos mangás do gênero lançado no Brasil, e é um tanto difícil achar esse tipo de publicação, por que ainda existe muito preconceito quanto ao tema. Por exemplo, no ano de 2007, no mês do lançamento do mangá, onde moro não achei em lugar nenhum e assim fiquei procurando por um ano. Não sei se outros fãs tiveram o mesmo problema, mas o fato desse tipo de publicação não ter chegado ao meu estado, pode ser visto como reflexo de preconceito. Mesmo quando comprovadamente o yaoi é um gênero que vem crescendo em numero de consumidores de material.

Maki é conhecida por ser muito tímida e apenas dá entrevistas com a condição de nenhuma foto ser tirada, por isso é um sacrifício encontrar fotos dela. Se bem que se você ler as notas ou como ou são conhecidos, freetalks, em suas obras é difícil acreditar que ela seja tímida. Uma sincera opinião pessoal, eu tenho medo da Murakami Maki, ao mesmo tempo caio na risada ao ler seus freetalks. Em uma passagem quando finalmente Yuki e Shuuichi vão ter aparentemente sua primeira noite de amor, ou melhor, dia. Ela chega a comentar que estava maluca imaginando essa cena e não esperava a hora para que esse momento chegasse. Por ter esse lado meio pervertido e cômico, eu me identifico muito com Murakami Maki, não só eu, mas como muitos outros leitores, e o melhor de Gravitation é justamente o lado cômico e muitas vezes absurdo, e graças a Murakami Maki eu fiquei viciada em yaoi, já que Gravitation foi a primeira obra yaoi que li e vi (anime), e seus doujinshis foram os meus primeiros lemons. Por isso, só tenho a agradecer a esta Mangaká que mudou minha vida e me transformou no monstrinho pervertido que sou hoje. (meio exagerado né)

Espero que tenham aprendido um pouquinho mais sobre o universo Yaoi, que eu realmente adoro. E na próxima vez formos nos encontrar vamos falar de Yuri, Oki Oki! Quem quiser pode conferir o site oficial da artista: http://crocodile.jeez.jp/top.html. Dúvidas? Sugestões? Críticas? Envie um e-mail para mangakadomes@staffanimix.com.br que com certeza leremos com carinho para melhorarmos sempre. Até!

Fotos: Divulgação

Escrito por Jéssica Ferreira ~Bia Blanch~; Revisão e edição: Catherine Aussourd e Bruno Figueiredo  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: