Wild Cards Vol.1 / Resenha

Por Walter Stodieck, do site parceiro Quadrim.

Wild Cards: O Começo de Tudo
Título Original: Wild Cards – The Book That Started it All
Brasil, 2013, 480 páginas
Editora: Leya
Editor Original: George R. R. Martin
Roteiro: George R. R. Martin, Studs Terkel, Howard Waldrop, Roger Zelazny, Walter Jon Williams, Melinda M. Snodgrass, Michael Cassutt, David D. Levine, Lewis Shiner, Victor Milán, Edward Bryant, Leanne C. Harper, Stephen Leigh, Carrie Vaughn, John J. Miller,
Preço de capa: R$ 44,90

capaWildCardsSaudações, tropeiros. Hoje vamos falar de um dos livros mais aguardados pelos fãs babões de RPG. Siiiiim, estamos falando de Wild Cards – O Começo de Tudo, do sensacional George R. R. Martin. Para os que ainda não sabem, anos antes de criar o universo de Game of Thrones, Martin transformou o nosso mundo através da sua visão em um cenário de RPG. Mas como assim antes? Isso mesmo, Wild Cards foi originalmente lançado em 1986 lá nos Estados Unidos, mas só agora a editora Leya trouxe para o Brasil esta preciosidade.

Cartas Selvagens (me recuso a falar Wild Cards) era um cenário criado para Martin e seus amigos jogarem no famoso e polêmico (MAMILOS!) sistema de RPG GURPS, onde o mundo tal qual o conhecemos fora mudado graças aos efeitos de uma bomba com um vírus que mudou geneticamente os seres humanos, dando a alguns super poderes, dividindo a humanidade em seres humanos, ases (aqueles com super poderes, mas que mantinham a sua aparência) e curingas (aqueles menos afortunados que tinham a sua aparência deformada).

Neste livro, como o próprio título já diz, vemos como começa a história deste novo universo, que se passa num Estados Unidos recém saído da segunda guerra mundial e com a população se readaptando a viver no mundo pós guerra. É a partir de então que vamos conhecendo personagens como o Doutor Tachyon, um takisiano que veio até a Terra na tentativa de impedir que a bomba com o vírus carta selvagem detonasse, Flyboy, um piloto e grande herói americano, os Quatro Ases, um grupo de ases que trabalhava para o governo em missões secretas e vários outros personagens.

No livro vemos novamente uma característica fundamental dos cenários criados por Martin, que é deixar ofoco na trama política, mostrando como o governo e a população foram afetados não só fisicamente mas sim como sociedade e como tirar proveito disso das mais variadas maneiras.

Como falei logo no começo, este é um livro aguardado por anos entre os fãs jogadores de RPG, pois além de ser um universo fenomenal, a grande maioria (eu incluído), tiveram seu primeiro contato com este universo através de um apêndice que vinha no livro GURPS SUPERS apresentando o conceito do Cartas Selvagens e todas as transformações que este tinha feito na nossa sociedade. Saber então da existência de uma série de livros que mostrava mais deste universo tornara-se então fundamental e indispensável para nós que sempre tentamos criar os mais diversos cenários para vivermos entre uma e outra aventura de RPG. Termino aqui dizendo que Cartas Selvagens está para GURPS assim como Caverna do Dragão está para Dungeons & Dragons, e que se você ainda não leu, faça o quanto antes.

Você pode comprar Wild Cards: O Começo de Tudo no site da Comix.

Um comentário em “Wild Cards Vol.1 / Resenha

  • 22 de agosto de 2013 em 10:12
    Permalink

    O título está errado. Está “Wild Cars”, está faltando um d.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: